Telefone: (11) 2295-9931 | (11) 9 5726-6578 End: R. Gonçalves Crespo, 226 (Próx. Metrô Tatuapé) | End: R. Cerqueira Cesar, 466 (Próximo ao Hospital Next Santo Amaro)
Câncer, Ozônioterapia

Entenda mais sobre câncer de pâncreas na série “As 20 mais”

O câncer de pâncreas é mais uma doença potencialmente fatal que, por meio do tratamento com ozônio, pode ter suas consequências reduzidas e os resultados de seu tratamento otimizados.

Esse é mais um artigo da série As 20 Mais, que começou com nosso conteúdo especial sobre derrames, em que o blog Saúde com Ozônio aborda as doenças que mais matam ao redor do mundo e como a Ozonioterapia intervém para diminuir os seus principais riscos e consequências.

A seguir, saiba mais sobre os fatores de risco, sintomas e meios de prevenção do câncer de pâncreas, além do papel fundamental que o ozônio medicinal desempenha contra essa séria patologia. Boa leitura!

Como ocorre e quais os fatores de risco do câncer de pâncreas?

O câncer de pâncreas acomete a glândula do aparelho digestivo responsável pela produção de enzimas e insulina, que respectivamente desempenham o papel de digerir alimentos e diminuir os níveis de glicose no sangue.

A população idosa é a mais acometida pela doença, sendo que os riscos de a desenvolver aumentam a partir dos 50 anos de idade e a faixa-etária que mais sofre com ela é de 65 a 80 anos.

Homens também são mais propensos a sofrer esse tipo de neoplasia, que é caracterizada por células anormais que passam a se dividir descontroladamente no pâncreas e destroem os seus tecidos. O lado direito do órgão é o mais atingido na grande maioria dos casos.

Quais os sintomas da doença e como preveni-la?

O grande risco que o câncer de pâncreas representa na vida dos pacientes está justamente na dificuldade do seu diagnóstico, que geralmente ocorre de maneira de tardia por conta da maneira silenciosa com que ele se manifesta.

Os sinais mais perceptíveis incluem:

  • Fraqueza;
  • Tontura;
  • Diarreia;
  • Perda de peso.
  • Eles podem ser facilmente confundidos com problemas menos graves da terceira idade ou simplesmente não aparecerem até que o quadro seja grave. Sendo assim, na grande maioria das vezes, os tratamentos são paliativos.

    Os cuidados, que incluem a sua prevenção, são fundamentais, uma vez que representam a maneira mais eficiente de evitar suas consequências.

    Evitar o tabaco e o consumo de álcool é essencial, principalmente em grandes quantidades e em estágios avançados da terceira idade.

    Indivíduos que sofrem de diabetes mellitus ou pancreatite crônica devem realizar exames periodicamente para checar seus riscos de desenvolver o câncer de pâncreas. Além deles, quem conta com histórico familiar ou foram submetidos à retirada da vesícula biliar, cirurgia de úlcera ou do duodeno também precisam de cuidados especiais.

    Qual o papel do ozônio no combate dessa grave condição?

    Corroborada por mais de cem anos de estudos e aplicações, por especialistas internacionais e pelos sistemas de saúde de grande parte dos países mais desenvolvidos do mundo, a Ozonioterapia é uma técnica natural e totalmente segura, que possui eficácia comprovada contra diversos tipos de carcinomas.

    A cura do câncer de pâncreas só é possível quando ele é detectado em estágio inicial. Portanto, a maioria dos pacientes que são submetidos ao seu tratamento dependem de intervenções cirúrgicas ou tratamentos de radioterapia e quimioterapia. Uma série de medicamentos também são utilizados para eliminar os sintomas dos pacientes.

    Ao atuar diretamente nas células afetadas pela neoplasia, contribuindo para a eficácia dos tratamentos tradicionais, o ozônio é capaz de acelerar o tempo de recuperação dos pacientes, garantindo não apenas que os tratamentos se tornem mais baratos, mas também menos nocivos.

    Como se não bastasse, o gás ainda é capaz de fortalecer o sistema imunológico e restabelecer as condições plenas de saúde do organismo, dando mais disposição aos indivíduos e, consequentemente, melhorando sua qualidade de vida.

    Resumindo, o ozônio é uma alternativa praticamente indispensável para quem precisa lidar com esse grave problema. Sua atuação complementar:

  • Reduz os sérios riscos impostos pelo câncer de pâncreas;
  • Sofre menos com as consequências de medicamentos ou intervenções nocivas como a quimioterapia;
  • Tem seu tempo de recuperação acelerado;
  • Ainda gasta menos para restabelecer sua saúde.
  • E você, conhecia todas as vantagens do ozônio contra o câncer de pâncreas? Quer saber ainda mais sobre as possibilidades da Ozonioterapia contra as doenças mais graves do mundo? Então continue acompanhando nossa série “As 20 Mais”!

    Previous ArticleNext Article

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *