Telefone: (11) 2295-9931 | (11) 9 5726-6578 End: R. Gonçalves Crespo, 226 (Próx. Metrô Tatuapé) | End: R. Cerqueira Cesar, 466 (Próximo ao Hospital Next Santo Amaro)
Asma, Bronquite, Câncer, Ozônio, Ozônioterapia, Pneumonia, Saúde em Geral

Efetividade do Ozônio em 4 tipos de doenças graves

A Ozonioterapia é uma técnica centenária, que consiste no estímulo dos mecanismos de recuperação do organismo por meio da aplicação de Ozônio Medicinal. Reconhecido contra mais de duzentas doenças diferentes, o tratamento é amplamente difundido ao redor do mundo e conta com diversos estudos que corroboram a sua eficiência até os dias de hoje.

A seguir, confira os resultados de um estudo descritivo realizado por especialistas italianos. Eles discorreram sobre as propriedades bioquímicas e farmacológicas do ozônio contra as principais doenças agudas e crônicas que acometem a população, como:

  • Patologias pulmonares;
  • Anomalias do sistema nervoso central;
  • Dermatopatias;
  • Doenças cardiovasculares.

Boa leitura!

Conheça a efetividade do Ozônio contra 4 tipos de doenças graves

Doenças pulmonares

As doenças pulmonares incluem quaisquer condições em que os pulmões deixam de funcionar adequadamente, seja em decorrência de patologias, distúrbios ou anomalias.

Entre as principais estão:

  • Bronquite;
  • Asma;
  • Pneumonia;
  • Enfisemas;
  • Tuberculose;
  • Traqueobronquite;
  • Insuficiência respiratória;
  • Fibrose pulmonar;
  • Câncer de pulmão;
  • Bronquiolite.

De acordo com o cruzamento de dados realizado pelos pesquisadores, foi possível concluir que a Ozonioterapia age diretamente sob os genes envolvidos nos processos de cicatrização das feridas, aumentando sua expressão.

Outro fato interessante é que, com a exposição ao ozônio, o parênquima alveolar responde com a ativação dos genes envolvidos na imunoativação.

Processos como a quimiotaxia e respostas a citocinas também são desencadeados de maneira significativa, assim como a diminuição da inflamação.

Distúrbios do sistema nervoso central

Os distúrbios que atingem o sistema nervoso central são aqueles que comprometem as funções do cérebro, da coluna vertebral e dos nervos que os conectam. Suas causas são diversas, com consequências que variam de acordo com sua gravidade e origem.

Esse tipo de condição pode ser degenerativa, como:

  • Parkinson;
  • Alzheimer;
  • Esclerose múltipla;
  • Huntington.

Ou mesmo de origem patológica, como:

  • Neoplasias;
  • AVCs;
  • Epilepsia.

Os problemas do sistema nervoso central ainda podem incluir condições psiquiátricas, genéticas, traumáticas ou ligadas ao envelhecimento.

De acordo com os estudos analisados pelos pesquisadores, foi constatada a amenização bem-sucedida de dores no rosto e na cabeça, que tinham como origem alterações no tálamo óptico.

Graças ao seu potencial anti-inflamatório e antioxidante, a Ozonioterapia é amplamente utilizada contra a alodinia da dor neuropática e a hiperalgesia, que consiste em uma sensibilidade exacerbada a estímulos dolorosos.

Foi constatado também que injeções subcutâneas de Ozônio Medicinal proporcionam poderosos efeitos farmacológicos no córtex órbito-frontal, o que normaliza a expressão de caspases pró-inflamatórias e reduzindo a coloração de IL-1β.

A Ozonioterapia também foi ligada ao aumento das funções cognitivas e a melhoras no estado geral de humor, que também são acompanhadas por um aumento do fator neurotrófico derivado do cérebro.

Em casos de AVC, o ozônio promove a redução da lesão neuronal e formação de radicais. Na esclerose múltipla, por meio de insuflação retal, o gás ainda é anti-inflamatório, proporcionando uma eficácia farmacológica comparável à metil-prednisolona.

Dermatopatias

As dermatopatias são caracterizadas como doenças que afetam e prejudicam o tegumento, ou seja, o conjunto formado pela pele e seus anexos.

Suas origens e graus de gravidade são diversos, podendo ser motivados por:

  • Parasitas;
  • Infecções;
  • Respostas imunológicas;
  • Problemas metabólicos;
  • Disfunções endócrinas, psicogênicas, congênitas ou hereditárias.

O primeiro ponto ressaltado pelos pesquisadores aborda que a Ozonioterapia é empregada há muitos anos nessa área, principalmente em situações em que os meios convencionais de tratamento não apresentam resultados eficazes.

De maneira segura e eficiente, o ozônio demonstrou-se eficaz contra situações como:

  • Úlceras;
  • Fístulas;
  • Perda de pele em feridas não cicatrizantes;
  • Complicações sépticas pesadas, crônicas e resistentes a antibióticos;
  • Procedimentos cirúrgicos;
  • Infecções secundárias da pele.

O principal trunfo da Ozonioterapia nessas situações é sua capacidade de inibir processos sépticos e cicatrizar feridas de maneira muito mais veloz e de reduzir os custos e efeitos adversos da antibioticoterapia.

O uso do óleo ozonizado repara infecções anaeróbias e herpéticas, feridas em geral, queimaduras, úlceras tróficas, fissuras anais, abscessos, gengivite e até a celulite. Além disso, ele ainda é eficaz no tratamento de fístulas e feridas cirúrgicas crônicas, sem apresentar qualquer tipo de efeito colateral.

A Ozonioterapia age diretamente na regulação da resposta inflamatória e nos mecanismos de cicatrização de feridas, assim como na neovascularização e na cicatrização cutânea aguda.

Doenças cardiovasculares

As doenças cardiovasculares também podem ser bem distintas entre si, contando com diversas origens e diferentes fatores de risco possíveis.

Entre as condições mais comuns que prejudicam a saúde do coração estão:

  • Enfarte do miocárdio;
  • Hipertensão;
  • Angina;
  • Endocardite;
  • Doenças das válvulas cardíacas;
  • Arritmias;
  • Miocardite.

De acordo com as conclusões dos pesquisadores, a Ozonioterapia melhora o prognóstico de pacientes com problemas cardíacos por meio da correção do estresse oxidativo.

Agindo por meio de diversas frentes terapêuticas, o ozônio é capaz de recuperar as atividades funcionais comprometidas por doenças crônicas, em que se incluem muitas daquelas que atingem o coração.

O gás é responsável por uma significativa indução das respostas biológicas do organismo, que incluem a melhoria da circulação de sangue e da chegada de oxigênio nos tecidos isquêmicos – fatores com influência direta nas funções cardíacas.

Entre as principais propriedades que relacionam a Ozonioterapia ao tratamento das doenças cardiovasculares estão:

  • Aprimoramento do metabolismo basal;
  • Aumento na glutationa reduzida;
  • Regulação positiva das enzimas antioxidantes celulares;
  • Aumento da liberação de fatores de crescimento;
  • Leve indução na ativação do sistema imunológico.

Dentre as principais condições apontadas pelos pesquisadores como favoráveis à cura por meio de intervenções de ozônio, seja por meio do estudos in vitro e in vivo, estão a doença arterial coronariana, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca crônica, patologias da artéria periférica, além de cardiopatia isquêmica ou infarto agudo do miocárdio.

E você, já conhecia a eficácia e a importância da Ozonioterapia contra essas e outras doenças? Quer ter acesso ao melhor padrão de tratamento na área e ainda ficar por dentro das principais notícias sobre o assunto?

Então confira os tratamentos disponíveis no site da Clínica Dr. Ozônio e não perca as novidades do blog Saúde com Ozônio!

Previous ArticleNext Article

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *